Sábado, 24 de julho de 2021

Porto Alegre
Porto Alegre
13°
Fog

CADASTRE-SE E RECEBA NOSSA NEWSLETTER

Receba gratuitamente as principais notícias do dia no seu E-mail ou WhatsApp.
cadastre-se aqui

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
GRATUITAMENTE

cadastre-se aqui

Rio Grande do Sul Morre aos 82 anos o empresário gaúcho Oskar Coester, inventor do aeromóvel

Compartilhe esta notícia:

Oskar Coester, inventor do aeromóvel, se recuperava de um AVC sofrido em maio deste ano.

Foto: Divulgação
Coester se recuperava de um AVC sofrido em maio. (Foto: Divulgação)

Faleceu nesta terça-feira (17), aos 82 anos, o empresário gaúcho Oskar Coester, conhecido pela invenção do aeromóvel. Ele morreu de causas naturais. Ele se recuperava de um AVC sofrido em maio e não resistiu a complicações de saúde. Nascido em Pelotas, deixou esposa e quatro filhos. A cremação está marcada para as 10h desta quarta-feira, restrita à família, no Crematório Metropolitano.

A Trensurb, por meio de seu diretor-presidente, Pedro Bisch Neto, manifestou profundo pesar pelo falecimento. Além disso, familiares e amigos se reuniram, respeitando os protocolos sanitários, para uma homenagem ao inventor do aeromóvel e fundador do Grupo Coester. A despedida foi em formato de carreata, às 19h, junto à linha que nunca chegou a funcionar, na avenida Loureiro da Silva (Centro Histórico).

Trajetória 

Oskar Hans Wolfgang Coester nasceu na cidade de Pelotas, em 26 de setembro de 1938. Seus pais, imigrantes alemães, estavam estabelecidos no Brasil havia poucos anos e se adaptavam à vida do interior do Rio Grande do Sul.

Seu interesse pelo transporte e pela tecnologia começou ainda quando criança, quando, segundo a família, fugia da sala de aula para ver os trens na estação de Pelotas e desmontava e remontava relógios para entender seu funcionamento. Aos quatorze anos, passou no exame de admissão na Escola Técnica de Pelotas, em 1952.

No decorrer de sua formação, Oskar Coester cursou modelagem, fundição, mecânica e elétrica. Formado e com 17 anos, ele deixou Pelotas e seguiu para Porto Alegre, com o intuito de ingressar na Varig (Viação Aérea Riograndense) por meio da Evaer (Escola da Varig). Inicia sua carreira como técnico em mecânica e eletrônica de aviões.

Ao entrar para a Varig, Oskar Coester foi designado para a equipe técnica e, com 18 anos, foi a Renton, nos Estados Unidos, receber treinamento na sede da Boeing. A experiência como gestor da área de manutenção técnica de aeronaves da Varig, na época uma das maiores companhias aéreas privadas do mundo, foi de grande importância em sua carreira.

Em 1960, Oskar Coester fundou a ICR (Industrial e Comercial Riograndense), onde trabalhava nas horas vagas e finais de semana, desenvolvendo projetos eletrônicos diversos. Em 1970, após a morte de Rubem Berta, presidente da empresa e seu mentor, decidiu deixar a Varig e passa a dedicar-se exclusivamente à sua empresa e seus projetos.

Aeromóvel

O desenvolvimento do Projeto Aeromóvel, que lhe trouxe notoriedade internacional, teve sua gênese ao final da década de 1960, quando se deslocava do bairro do Leme, onde morava no Rio de Janeiro, até o Aeroporto Internacional do Galeão.

Ele percebeu que despendia mais tempo percorrendo 20 km em terra do que os 1.124 km que separam o Rio de Janeiro de Porto Alegre por via aérea. Ele conceberia um meio de transporte inovador em via elevada, imune a congestionamentos, totalmente automático, com veículos leves impelidos pela força do ar.

Partindo de um singelo protótipo para um ocupante nos galpões de sua fábrica, passaria em apenas três anos para uma linha de demonstração na Feira de Hanôver, na Alemanha, um dos grandes destaques daquele evento. Passados mais três anos, em 1983, inauguraria a tão conhecida linha-piloto no Centro Histórico da capital gaúcha, junto à orla do Guaíba, atraindo a atenção de especialistas do mundo inteiro.

Em 1989, ao lado da esposa, Elida Coester, e do presidente da Indonésia, Soeharto, participou da abertura da linha do Sistema Aeromóvel em Jacarta, lá conhecido como TitihanSamirono, o “menino do vento”.

Seu projeto em Porto Alegre consolidou-se em 2013 com o início das operações do seu invento no Aeroporto Internacional Salgado Filho, que já transportou mais de sete milhões de passageiros. Hoje são dezenas de projetos em mais de 16 países, incluindo uma linha na Colômbia e na ligação do Aeroporto Internacional de Guarulhos.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Rio Grande do Sul

O coronavírus já infectou 283.351 gaúchos. Mortos pela pandemia no Estado são 6.314
Uma exposição itinerante em Porto Alegre relembra veículos históricos da Brigada Militar
Deixe seu comentário
Pode te interessar